10 de maio de 2009

My sweet sixteen

No dia seis de maio de 2009, comemora-se (pelo menos eu comemorei) os dezesseis anos do dia em que minha mãe deu à luz sua primogênita, Laura (eu). Geralmente no dia do meu aniversário sinto uma atmosfera diferente, e fico bem... feliz. Como deveria, certo? Bom, esse ano, não tive tanto clima de aniversário.
Talvez porque esse ano eu não tenha deixado minha mãe realizar seus planos de todo ano dar uma festa, de um modo ou de outro, apenas um jantar para os familiares mais próximos e meu namorado, ou talvez por eu ter perdido o contato com muitas pessoas nos últimos meses, mas acordei e nem lembrei que era meu aniversário, o "meu dia".
Se eu vivesse em algum outro lugar, ou em outra época, talvez já estivesse casada, com filhos. Talvez já trabalhasse, já dirigisse, já fosse independente. Talvez já estivesse morta, ou na meia-idade. Por isso sei que tenho sorte. Porém ficaria feliz se a possibilidade de votar (e, segundo Renata, ficar rica vendendo os votos) não fosse tudo que meus 16 anos trazem.
Esperava, mas não me sinto diferente agora de como me sentia há uma semana, com 15. Talvez não tenha caído a ficha ainda. Ou talvez eu esteja esperando por algo que nem existe. Afinal, o homem é que teve a necessidade de marcar o tempo. Faz diferença se hoje faz 5844 dias que eu nasci, ou 5845?
Não sei se já mencionei aqui, mas sempre fui meio precoce, principalmente na personalidade e na percepção do mundo, ainda que ingênua para muitas coisas. Acho que já me sentia com 16 anos antes de completá-los. Na verdade, mal posso esperar pelos 17. MAS, antes, tenho que tomar um rumo, fazer algumas decisões difíceis. Afinal, os dias de debutante já eram.

3 comentários:

Renata Menezes. disse...

Eu já disse pra parar de contar as coisas que eu falo assim, abertamente.

Tsc

Cê não aprende nada, parece uma criança

JoaoXM disse...

Foi seu aniversário, deixa de ser ranzinza...
xD

Luisa Maia disse...

Oiiiiiiiiiii Lauura!
Muito bom!
Adoooooorei.
te adoro??

beijos sua piveta.